sexta-feira, 30 de abril de 2010

Fim de Semana


Bom merecido descanso para todos!

Uma aula de modéstia!

Esse vídeo do Viola já é meio manjado, mas sempre vale a pena!

Divirtam-se:

video

(http://www.youtube.com/watch?v=wKT0iqVfM1U)

E se fosse você?

Olhem a foto...

Dr. Arnaldo por volta das 19h40


Agora imaginem que no meio disso tudo tem uma ambulância. Esta ambulância é do Resgate e está com as sirenes ligadas. Normalmente, o que se pensa é que os carros vão aos poucos dando um jeito e abrindo caminho. Mas o mais estranho de tudo é que tenho reparado que as pessoas não se preocupam muito com isso. Mais de uma vez vi ambulâncias ficarem presas ao trânsito por minutos sem se mover três metros! Isso acontece porque o excesso de carros é tamanho que realmente não é possível abrir caminho ou os motoristas simplesmente se acostumaram com as ambulâncias nas ruas e pensam que isso já faz parte do cenário urbano? Mas o interessante de andar pela cidade é que ela nos da respostas. Ao entrar na Paulista, me deparo com isso:

Ciclistas iniciam concentração para a Bicicletada das Mães

A imagem que me veio à mente foi o da ambulância encravada no meio do trânsito cinco minutos antes. Então tive a conclusão mais "genial" (e óbvia): se mais pessoas tivessem a coragem de encarar o trânsito paulistano pedalando e se as vias estivessem mais preparadas para receber os adeptos do pedal, com certeza isso contribuiria para aliviar os congestionamentos e para aumentar a agilidade das ambulâncias. Certamente contribuiria. Ironias à parte, não é preciso ser nenhum gênio para chegar-se à essa conclusão. Então, que isso sirva de reflexão para pensarmos o porquê dos nossos geniais governantes não darem prioridades a questões como essas.


Duas Rodas

Em relação à concentração, era a "Bicicletada das Mães" (www.bicicletada.org/saopaulo). A bicicletada é um movimento bastante conhecido de uma galera engajada que realiza ações para conquistar o devido espaço dos ciclistas nas ruas. No site tem bastante informação interessante. E fica o recado dos adeptos, "Não odiamos os carros, amamos bicicleta!".

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Clássico é classico e vice-versa!



É Hoje!!! Confronto de peso!!! Duelo de gigantes!!!

As saídas são inúmeras. Os times podem entrar no 4-4-2, 3-5-2, 4-3-3, de ponta cabeça, esperar o Flamengo chegar e sair no contra-ataque, com o Ronaldo enfiado e o Dentinho na velocidade. O Flamengo pode sair pro jogo, ter o dominio da bola e envolver o Timão.

Mas numa boa? Na hora que o juiz apitar, Flamengo e Corinthians em campo, e ainda se esses dois do meio aí da foto resolverem fazer o que sabem, aí esquece que o resto é conversa!!!

terça-feira, 27 de abril de 2010

O Bom Velhinho!

Fachada do Pacaembú às quintas-feiras de manhã.


O Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho completa hoje 70 anos! É um velhinho até que conservado, dentro das suas limitações. Mas uma coisa que se fez por lá há 2 anos (em 2008) e que foi um belo de um golaço foi a criação do Museu do Futebol (http://www.museudofutebol.org.br/). Como não tenho pretensão e nem condição de fazer uma cobertura digna de aniversariante ilustre, vou homenageá-lo lembrando da minha visita ao museu junto de um primo, em agosto de 2009.


Gramado que já foi inaugurado com grandes times (rodada dupla): Palmeiras x Coritiba / Corinthians x Atlético Mineiro

Quando pensei em conhecer o espaço não tinha a mínima idéia do que iria encontrar, a surpresa foi enorme! A começar pelo acervo riquíssimo com peças e fotos que falam por si. Mas o mais surpreendente foi a inteligência com que usaram a interatividade e a tecnologia à favor da história. Alguns exemplos são as gravações (áudio e vídeo) de nomes como José Trajano, Juca Kfouri, entre tantos outros, relatando momentos marcantes do esporte. Outro exemplo? Áudios raríssimos de narrações de momentos em que quem não ia ao estádio, curtia de longe e construía o lance na memória através de narrações com muita emoção dos locutores de antigamente, nada comparável à frieza e apego à imagem da televisão que acontece hoje em dia.

Praça Charles Miller, em frente ao estádio. Ou seria o contrário?

Pra não encompridar muito a conversa, estive lá achando que em três horas conseguiria curtir tudo, más esse tempo só serviu para aguçar ainda mais a curiosidade e vontade de passar um dia todo embaixo das arquibancadas do Pacaembú, onde construíram o museu. Infelizmente tinha compromisso no período da tarde.

E o melhor? Fui numa quinta-feira, é de graça!!!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Andar com fé eu vou!

Hoje resolvi ir embora a pé! Sem horário pra chegar, depois de mais um dia de trabalho, pra que encarar um ônibus que leva 5 minutos pra chegar à Dr Arnaldo, mais meia-hora pra chegar na Paulista e depois mais uns 10 minutos pra chegar em casa? Caminhada é o que há!


Avenida Sumaré por volta das 7h20. Pelo horário, até que tava bem.



O percurso a pé: não mais que 15 minutos até a Dr Arnaldo, aproximadamente 25minutos até a Paulista e mais uns 20 minutos até o apartamento. Vale ressaltar que tudo isso sem pressa, sem correria. No máximo 1h de percurso. Uma diferença de 15 minutos entre ônibus e caminhada.
Ao colocar na balança, esses 15 minutos são ganhos.

Caos!! Terminando a Dr Arnaldo, um pouco antes da Paulista.


Caminho (finjo que me exercito), penso na vida, sinto a cidade, vejo o movimento e lamento por aqueles dentro do ônibus, apertados e parados naquela imensidão de veículos. Se a vídeorreporter Renata Falzoni tem a frase clássica e sábia que diz algo do tipo "vá de bike", eu aproveito a idéia e digo, "vá a pé"!! A natureza agradece e quem ganha é você! (Parece propaganda de filtro de ar, mas é a realidade).

domingo, 25 de abril de 2010

Domingo no parque!

Dizem que a praia de paulistano é shopping. Eu não discordo, mas acredito que não seja a única. O "litoral" da capital é bem extenso! Parque do Ibirapuera (www.parquedoibirapuera.com), por exemplo, em feriado e final de semana enche tanto quanto os outros dois lugares. E a semelhança maior é quanto à democracia do espaço. Como nas praias, o parque recebe diferentes tipos de pessoas em relação tanto à idade quanto à classe social, esta última já não acontece tanto nos shopping-centers.

Mania de interação do brasileiro, tem mais gente em cima do Monumento do "Empurra-empurra" (ou "Deixa que eu empurro") que ao redor. No mínimo curioso!



Desde as crianças nos parquinhos ou as mais radicais que já arriscam um "rolê" no esqueite, passando pelos jovens e adolescentes que vão para os gramados tocar violão, trocar idéias e fumar narguilé, até os senhorzinhos e senhorinhas que vão com suas famílias para ter um dia agradável. Enfim, a idéia é dizer que parque não é apenas espaço para respirar ar puro e fazer exercícios. Cada vez mais as pessoas da cidade grande ocupam o espaço em busca de fazer o que gostam em um lugar que fuja das caracteristicas de uma cidade grande.


Marquise que fica lotada de esqueitistas, patinadores e ciclistas de todas as idades, classes e sexo.

E depois, pra descansar dos rolês, passeios e caminhadas...









É... e que a semana valha a pena tanto quanto o domingo e o parque!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Galeria do... rock??









Apesar de algumas (poucas) lojas de suplementos alimentares e lojas de perfumaria misturada com eletroeletrônicos, ela continua valendo a pena!!! (www.galeriadorock.org.br)

Se espirrar, saúde!

Sim, 7 de abril, Dia Mundial da Saúde! Como parte das comemorações foi realizada uma parceria entre secretaria do município, uma indústria farmacêutica famosa e cia de teatro. A essência: rir é o melhor remédio!!
A Cia La Minima (http://www.laminima.com.br/) arma o picadeiro em pleno Largo Paisandú nesta quarta-feira chuvosa. Fui testemunha ocular, a trupe se esforçou ao máximo para chegar antes da chuva e dar um pouco de alegria e descontração ao corre-corre da cidade. Mas a cidade em questão qual é mesmo? A Terra da Garoa... e vai querer contrariar isso?
Enfim, o importante é que eles buscaram ser eficientes não só no riso, mas também na logística, o clima deles era inversamente proporcional ao da meteorologia. Pena que no Dia Mundial da Saúde a chuva chegou primeiro, com ela a provável gripe aos paulistanos e a congestão às vias "arteriais" da cidade, que parecem estar em uma gripe constante.

terça-feira, 6 de abril de 2010

O tempo não para...


Eis a Terra da Garoa com sua face mais famosa!
Clima instavel com temperaturas que não devem passar dos 19ºC. Já os congestionamentos, são dias como esses que eles se tornam "gente" grande...

E fez-se a luz

Tudo surgiu com a junção de alguns fatores e necessidades.
Eu César Cabrera, formado no final do ano de 2009 em jornalismo, desempregado, na cidade grande, passando a conhecer e presenciar diversas situações que qualquer pessoa passaria no meu lugar.
Morando agora em plena avenida Paulista, de fato estou onde muitas das coisas acontecem.
Nas primeiras semanas de Terra da Garoa a Eletropaulo me deu as boas vindas com o não ligamento da energia elétrica por mais de 15 dias. Por um lado até que houveram questões positivas. Explorar a Paulista se tornou um passa tempo prazeroso, surpreendente e barato (não se esqueçam do "desempregado")! A vista do café do Sesc Avenida Paulista (www.sescsp.org.br/avenidapaulista) é linda; O Masp (www.masp.art.br) é de graça às terças feiras; o Itaú Cultural (www.itaucultural.org.br) trouxe uma ocupação do Chico Science muitíssimo interessante; o parque Trianon (http://www9.prefeitura.sp.gov.br/sitesvma/100_parques/) é capaz de fazer qualquer ser humano lembrar que a Selva de Pedras tem suas belezas, mas o homem ainda vai ter que comer muito feijão para chegar aos pés da natureza (em termos, porque a natureza já está com o ser humano pelo pescoço)!
Outra constatação é que "manifestações pacíficas" é um termo um pouco duvidoso quando tratamos de pelo menos cinco mil professores ao comando de sindicalistas tomando a Avenida rumo ao Centro, vale lembrar que aqueles que deveriam manter a ordem (Policia Militar) provavelmente recebem menos ainda que os educadores. Resultado, empurra-empurra que câmera nenhuma registra.
Cultura de qualidade, fácil acesso, pessoas de todos os tipos, caos e reflexos dos mesmos para o município, desemprego, sãos esses os fatores que me trazem aqui. É a junção disso tudo que servirá de combustível para abastecimento desse espaço.
Sejam todos bem-vindos!